Chai – Chá indiano com especiarias

Por aqui já está friozinho e chovendo direto, tempo certo para um chazinho da tarde (aqui agora 16:00), lembrei desta receita que eu adoro, mas demorei tanto para encontrar (pfff ainda estava nos rascunhos do Blog…) por isso depois de tanto tempo sem postar estou de volta, aproveitei a oportunidade de salvar a receita onde poderei encontrá-la das próximas vezes que precisar, para vocês, fica a dica de um chá delicioso!

Rendimento: 12-16 saquinhos de chá

Ingredientes
12 vagens de cardamomo verde
1/2 colher de chá de pimenta vermelha em grãos*
1/2 colher de chá de pimenta do reino em grãos* (*Usei um mix de grãos de pimenta que inclui pimenta do reino, pimenta vermelha, pimenta jamaicana e pimenta verde)
1 colher de sopa de sementes de erva-doce
1/2 colher de chá de sementes de coentro
1/2 colher de chá de cravos da índia
1 rama de canela em pau (a minha quebrei em vários pedacinhos antes de assar)
3 colheres de sopa de gengibre cristalizado picado
1/2 xícara de chá preto solto (Usei Chá Preto Paquistanês) 

Preparo da mistura
Pré-aqueça o forno a 180°
Com uma faca afiada, divida as vagens de cardamomo ao meio.
Coloque todos os ingredientes em uma forma, exceto o gengibre e as folhas de chá, asse por cerca de 5 minutos, ou até que as especiarias exalem bastante perfume.
Retire e esfrie.
Utilizando um pilão triture levemente as especiarias.
Em um recipiente que feche bem, misture as especiarias, o gengibre cristalizado e chá.
Na hora de fazer o chá utilizo saquinhos próprios, se a mistura não for muito triturada é possível utilizar as esferas de inox.

Preparo do chá
1 xícara de água
1/2 xícara de leite
1 colher de sopa da mistura
Açúcar ou mel a gosto (eu tomo sem)

Obs. depois de assar as especiarias, a cozinha fica com um cheio delicioso!

chai

Anúncios

Esfihas da D. Mistério

Ingredientes do Recheio

1/2 kg de carne magra de boi moída
sal
pimenta
2 tomates picados
2 cebolas picadas (bem fininho)
Suco de 4 limões espremidos

Preparo do Recheio

Misturar todos os ingredientes e deixar marinar por 4h, na geladeira.

Ingredientes da Massa da receita original
ATENÇÃO: Apesar de minha mãe ter me passado a receita que sempre fez e que fica uma delícia, aqui esta receita não deu certo, ficou absurdamente seca, joguei fora, mesmo depois de dobrar a quantidade de leite… fiz novamente substituí por outra receita

1 copo de leite morno
1 1/2 tabletes de fermento fresco (de 15g cada)
1 colher de sopa, rasa, de açúcar
1 xícara de chá de óleo
1 colher de café de sal
1kg de farinha (????)

Ingredientes da Massa que deu certo 

1 copo de água morna
12,5g de fermento fresco (aqui = 1/2 tablete)
3 colheres de café de açúcar
1 colher de café de sal
3 xícaras de chá de farinha
Preparo da Massa 

  1. Misturar o fermento, o açúcar e o sal (o fermento vai virar líquido)17155479_10212731839715518_2889705470395413620_n
  2. Adicionar a água morna, misturar e aguardar 5 minutos. Adicionar a farinha e manusear a massa até que fique homogênea, deixar em repouso por 30 minutos, para fermentar.17155201_10212731840195530_5833176954021837912_n
  3. Dividir a massa em “bolinhas de mesmo tamanho” (a receita original previam 25, mas aqui deram 20un de 2 tamanhos, grandes para os adultos e mini para as crianças…), deixar as bolinhas repousando por mais 20 minutos.  Pre-aquecer o forno a 250 oC, untar e enfarinhar as formas, abrir as bolinhas (fiz com os dedos e minha massa não precisou nem untar os dedos, minha mãe as achata com um pires), colocar no centro uma colherada do recheio cru (eu aproveitei para dar uma amassada adicional no centro das esfihas e “grudar” o recheio na massa), pingar uma gota de azeite e aguardar mais 10 minutos.17155538_10212731840835546_1567058555989194103_n17155894_10212731841595565_6797455664629048381_n
  4. Assar por uns 15 minutos, ou até que estejam com as bordas douradas. 17098193_10212731842595590_5419754603846346083_n

“Segredo da minha mãe”: Depois de assadas, coloque-as em uma tijela funda, e cubra, assim permanecerão húmidas. Aqui como fiz uma receita menor, não precisou, comemos todas!

Outra coisa, a Angelina não queria esfiha de carne, então fiz uma mistura de queijo branco fresco amassadinho com azeite, alho em pó, sal, pimenta e cebolinha, ficaram uma delícia também.

Para os eventuais curiosos sobre quem seria a D. Mistério, era a avó dos meus primos Michele e Gustavo Santi Costa, brincávamos muito na casa dela e comíamos coisas muito boas por lá! Cozinheira e boleira de mão cheia.

16996333_10212731845115653_4683162006352645836_n17098553_10212731845195655_4297047945386600471_n17190510_10212731839315508_2294760895980651129_n.jpg

 

 

Compota de Pêssegos, sem adição de açúcar

Recentemente fiz um post com várias sugestões da Sonia Hirsch para compotas sem açúcar, nele mencionei que iria testar com pêssegos, ficou uma delícia, aqui está o resultado:

14991282_10211533533918622_7977471102362254538_o

Essa é a compota base, e o modo de fazer seguiu o sugerido pela Sônia para as compotas das outras frutas:

Selecionei frutas bem maduras, lavei cortei e descasquei, retirando também os caroços. Coloquei em uma panela de fundo grosso (ela menciona panela de pedra, mas ainda não tenho…), adicionei especiarias conforme gosto pessoal – cravos, canela e pimenta do reino (lembrando que existem inúmeras variações conforme o gosto de vocês, poderia ter usado cardamomo, anis, gengibre ou mesmo ervas aromáticas… separadamente ou um mix com as demais), deixei ferver em fogo baixo, com a panela tampada, a cada meia hora dava uma mexida para verificar se não estava grudando, se estiver muito seco, adicione “uns pingos de água”, a minha não precisou e levou 2h para ficar no ponto que eu gosto: com pedaços macios, mas sem despedaçar. A calda foi formada pelo próprio “suor” das frutas. Depois armazenar na geladeira em recipientes esterilizados e bem vedados. Segundo ela dura umas 1 semana ou um pouco mais.

Depois de pronta, como de diversas maneiras: com iogurte, pura, com queijo de cabra, pode ser usada como geléia, misturo ervas aromáticas e mais pimentas e faço chutney para comer com carnes… ou seja 1001 utilidades!

Aqui está o link para o meu post original, onde aparecem também outras sugestões da Sonia Hirsch.

No passado já postei outras receitas de compotas sem açúcar, os links estão aqui:

Compota de Maçã com Laranja e Limão Siciliano, neste mesmo link escrevo também uma sugestão com pêssegos e outra com cerejas.

Obs. as compotas são sem adição de açúcar, porém contém frutose, que é o açúcar existente na própria fruta, atenção para aqueles que tiverem alguma restrição médica ao açúcar, acredito que tampouco sejam indicadas, na dúvida, melhor verificar com o seu médico.

Passata di Pomodori – Molho de Tomates

Para molho de tomates tenho essa receita , e também outras de que gosto muito, desde o simples “molho do Ju”, meu irmão, feito na hora com tomates frescos pelados e sem sementes, alhos, cebola e ervas em uma frigideira, como o molho mais elaborado da minha mãe, que vai uma peça inteira de carne recheada dentro e o “molho turbinado” com outros vegetais e verduras… vou alternando para não enjoar.

Ingredientes

1kg de tomates maduros
2 colheres de sopa de azeite de oliva
2 colheres de chá de açúcar
2 dentes de alho (eu uso uns 4)
1 bouquet de manjericão, se não tiver use outras ervas em abundância (salinha, coentro, tomilho, alecrim, salvia ou um mix delas… só não deixe de colocar, faz muita diferença)
sal e pimenta

Preparo

Frite brevemente o alho no azeite com o sal, pimenta e o açúcar, acrescente os tomates limpos e cortados (eu faço com casca e sementes, pois passarei o molho na centrífuga), cozinhe em fogo baixo por 30′, a base é essa.

Depois de esfriar um pouco passo o molho pela centrífuga, no modo “Smoothie”, tenho uma da marca “Magimix”, não sei dizer se todas as centrifugas possuem esse acessório, o que ele faz é deixar passar un pouco mais da polpa, resultando assim em um líquido muito mais cremoso e espesso do que o convencional. Para quem não tem esse recurso, usar uma peneira grossa.

No final de tudo, adiciono as ervas bem picadinhas, mas poderia passar tudo junto na centrífuga, caso não queiram ver os pedacinhos, quem tem criança sabe…a Angie agora é que come as ervas até mesmo no jardim, mas antes não podia ver um verdinho no molho…

Depois de pronto normalmente uso uma porção na refeição do dia e congelo o restante em forminhas de gelo, depois só descongelar uns cubinhos no microondas, ideal para porções individuais que faço para a minha Angelina.

Independente do molho, minha dica é:

1. Não acrescentar água aos tomates, gosto de molho espesso, daqueles que grudam na massa; se acrescentar, como no caso do molho da minha mãe, deixar cozinhar por muuuuuuuito tempo até reduzir bem (uma vez fiz na panela de pressão para cozinhar mais rápido a carne e ficou saboroso mas uma água só, proibido repetir!);

2.Não bater no liquidificador ou mix, fica um molho esbranquiçado, perde MUITO do visual e consecutivamente do prato… isso só seria necessário no caso de fazer o molho sem tirar a pele e a casca dos tomates, ou se adicionar outros ingredientes que “precisem sumir” no molho, nestes casos, quem não tiver uma centrífuga como a minha, sugiro passar tudo por uma peneira grossa.

Obs. Fazendo este post é que percebi que ainda não postei a receita do molho da minha mãe, e nem o do Ju!!! Nossa, tinha certeza que já tinha postado…

Fondue de queijo com pimenta verde e cogumelos e outras idéias

Por aqui ainda estamos no Outono, mas com a queda das temperaturas já estou entrando no clima do inverno e me preparando para a “temporada de fondues”!!! Queria fazer algo diferente, há um tempão atrás vi uma postagem de alguém que foi a um restaurante que servia Foundue de Queijo com Pimenta Verde e Cogumelos, fiquei com isso na cabeça, agora que esfriou, busquei na net, encontrei algumas e resolvi testar esta. A receita original encontrei aqui

Ingredientes

  • 200g de queijo gruyère ralado
  • 500g de queijo raclette ralado
  • 30g de funghi porcini seco, hidratado com água
  • 100g de shitake cortado
  • 100g de cogumelo cortado
  • 10g de pimenta-verde (usei 5g de grãos secos, moídos na hora em um pilão de pedra)
  • 50g de manteiga
  • 4 dentes de alho cortados ao meio
  • 1 colher (chá) de fécula de batata
  • 50ml de kirsch
  • 400ml de vinho branco seco
  • Pão italiano cortado em cubos de 1,5cm
  • Pimenta-do-reino moída na hora a gosto
  • 50ml de conhaque
  • 1 colher (sopa) de cebola picada

Modo de preparo

  • Esfregue as metades de alho nas laterais e no fundo da panela de fondue.
  • Derreta a manteiga, refogue a cebola com a pimenta-verde, flambe com o conhaque e refogue por cima os cogumelos.
  • Regue com o vinho, deixe ferver e derreta os queijos.
  • Misture, em um copinho, o kirsch com a fécula de batata.
  • Despeje sobre o queijo e volte ao fogo para engrossar.
  • Se precisar, tempere com a pimenta-do-reino.

Rendimento: 4 porções

Obs. para ser mais prático substituí a mistura de queijos por uma mistura destas prontas que já tinha em casa. Outra coisa que fiz foi usar a “varinha mágica” para homogeneizar a mistura no final, os cogumelos estavam grandes e pesados, não iriam aderir aos demais ingredientes que mergulharíamos no fondue. Além dos tradicionais pãezinhos, gosto de comer fondue de queijo com legumes como: tomates cereja, cenoura, aipo, batatinhas, brócolis e couve-flor, utilizando legumes fico com a “consciência” mais leve… 

Aproveito também este post para registrar outras idéias de Fondues x acompanhamentos, montei esta tabela para organizar as sugestões dadas em um post bem legal da Fabiana Sclaffani que apareceu em um grupo de mães no Facebook, do qual também faço parte (4mom’s).

IDÉIAS DE COMPLEMENTOS PARA FONDUES

QUEIJO

CHOCOLATE

DOCE DE LEITE

Pães diversos

Frutas frescas como : morango, bananas, frutas vermelhas, gomos de laranja, gomos de mixirica, peras, kiwis, abacaxi, uvas sem sementes

Mini Churros

Biscuit (palitos de pão)

Frutas secas como: damascos, figos, lascas de coco

Lascas de coco

Cubos de frios e de embutidos como: presunto, presunto cru, peito de peru, linguiça apimentada, salame, salsicha aperitivo

Bolos e afins, como: cubos de brownies, croissants ou “bolos tipo Pullman” (faço aqui minha ressalva, nunca utilizei e não sei se não cairiam dos “garfinhos” depois de mergulhados no chocolate)

Suspiros

Capeletti 

Bolachas waffles e canudinhos 

 

Cubos de carnes ou frango, como para Strogonoff

Biscoitos Champagne

 

Camarão

Amanditas

 

Vegetais como: batatinhas com casca, mini cenouras, tomates cereja, brócolis, couve-flor, palitos de aipo, aspargos…

Marshmallows

 

Frutas  secas ou não, como: tâmaras, cerejas, figos, pera, uvas…

Suspiros  

Goiabada

   

Particularmente gosto do Fondue de Quejo “Tradicional”, com pães e vegetais, mas qualquer dia destes vou testar com alguns dos outros acompanhamentos sugeridos, legal para sair da rotina. Já o de chocolate faço bem pouco, apesar de gostar muito…e quando faço também tenho preferencia pelo tradicional, com frutas, os demais acompanhamentos devem ficar ótimos, mas convenhamos, depois de um fondue de queijo ou carne, comer um de chocolate com tudo isso seria “muita gordice”, né? Eu adoro doce-de-leite, mas na minha opinião un fondue dele é algo impensável… quando der vontade de doce-de-leite eu prefiro comer um churros, ou um alfajor, ou um bem casado… mas para quem tiver vontade, aqui vai a receita sugerida pela Fabiana, no post:

“…Doce de leite (eu uso o moça cozido) + creme de leite… (acho que os argentinos ficam muito doces)… tem gente que poe uma pitada de sal e um pouquinho de conhaque, mas nao curto!”

Sopa de grão-de-bico e azeite de hortelã

E por aqui já estamos no Outono, entramos na temporada de sopas quentes! Resolvi testar algo diferente e gostei!
Receita é da Isadora Becker, do Gastronomismo, link aqui. 

Ingredientes

Sopa de grão-de-bico:

  • 3 colheres (sopa) de azeite de oliva
  • 1 cebola picada
  • 4 dentes de alho
  • Sal
  • 1 colher (chá) de cominho em pó
  • 1 colher (sopa) de açafrão da terra
  • 2 pimentas dedo de moça
  • 500g de grão-de-bico
  • 1 litro de caldo de legumes (utilizei a minha pasta base, receita aqui)
  • Suco de um limão

Azeite de hortelã:

  • 1 xícara (chá) de hortelã
  • ½ xícara (chá) de azeite de oliva

Modo de preparo

Sopa de grão-de-bico:

  1. Em uma panela, refogue a cebola picada e os dentes de alho inteiros sem casca em três colheres (sopa) de azeite de oliva.
  2. Tempere com sal, cominho, açafrão da terra e duas pimentas dedo-de-moça sem sementes cortadas em rodelas.
  3. Adicione o grão-de-bico, o caldo de legumes e deixe cozinhar durante 30 minutos, até o grão-de-bico ficar macio.
  4. Deixe esfriar um pouco e passe no liquidificador metade da sopa. Voltar à panela e adicione o suco de limão.

Azeite de hortelã:

  1. Desfolhe e lave uma xícara de hortelã.
  2. Leve ao liquidificador e adicione aos poucos o azeite.
  3. Bata durante dois minutos. Sirva por cima da sopa de grão-de-bico.

14908194_10211515445586425_5702168803923123817_n14479517_10211515445546424_3868220792894062713_n14963292_10211515445626426_3757943929235002061_n14907180_10211515445506423_1029344033653511936_n

E finalmente tive coragem de usar o jogo de sopeiras da Vista Alegre, presente da minha irmãzinha querida… tão lindo que tenho dó de utilizar quando vou comer sozinha… são quatro sopeiras individuais, empilháveis, formando uma casinha, cada uma tem o desenho de um andar e o interior delas é decorado com o mobiliário, amei! Depois posto uma foto da torre montada…

The River Cottage’s Vegetable Bouillon (a.k.a. Souper Mix) by Genius Recipes

Normalmente fazia o caldo de legumes e congelava em porções de 500ml, mas achei esta outra receita genial pela economia de espaço na hora de armazenar, com ela fica muito prático de preparar sopas, risotos e afins. Fiz para testar e achei o sabor espetacular, minha única preocupação é com a quantidade de sal, pois aqui em casa utilizamos bem pouco e nesta receita o sal é fundamental pois trabalha como conservante da mistura, o que faço quando utilizo também para as crianças, adiciono menos pasta e assim reduzo a quantidade de sal. Muito prático mesmo!

Ingredientes

250g alho-porro
200g erva-doce
200g cenoura
250 raiz de aipo
60g tomates secos ao sol
2 ou 3 dentes de alho
100g salsa
100g coentro
290g de sal fino

Nota: as medidas referem aos ingredientes já limpos, descascados e cortados.

Preparo

Passar todos os ingredientes em um processador (como a quantidade é grande fui passando cada ingrediente em separado, misturei em um recipiente e voltei tudo junto no processador para finalizar).

Armazenar em frascos esterilizados e bem vedados. O aspecto deverá ser uma pasta úmida e granulada. Para utilizar a pasta misture uma colher de chá para cada copo de água quente.

Minha mistura rendeu aproximadamente 1,4 Kg, considerando 290g de sal, ou seja para cada 100g temos 20,7g de sal, o que é menos do que os tabletes industrializados que além de serem cheios de sal são cheios de outros químicos que devem ser evitados (tenho um aqui de vegetais da Knnor que é 31g de sal para cada 100g) mas ainda assim é bastante, deve ser usada com moderação e evitada por pessoas com restrições médicas ao sal.
Dura até 6 meses – deixar uma parte na geladeira para o uso diário e guardar as demais no congelador.

O link para a receita original está aqui.

14956538_10211515435906183_1369459651245263946_n14962718_10211515435866182_1690589440105326268_n14963203_10211515435946184_3380180133832175142_n

Chá antimuco, Chá para gripes persistentes e “Lambedor” para dores de garganta

Eca… um pouco nojento escrever sobre gripes, mucos e dores de garganta, mas achei a receita do chá antimuco ótima e por isso bacana de se compartilhar… é mais uma receita da Sonia Hirsch que eu precisava salvar no blog para não perder… por aqui estamos no Outono, época propícia aos mucos… com as duas crianças na escolinha nossa exposição aos virus é gigante estamos sempre com mucos, em especial acho que minha imunidade está muito fraca porque de 03 anos para cá eu pego todos os vírus…. atualmente estive com uma tosse horrível, muito catarro espesso no peito, nariz e garganta mega secos e doloridos… enfim já estive no médico que me receitou um remédio para dissolver o muco, mas tomei por 4 dias e não senti absolutamente nenhuma melhora, então tive a idéia de buscar o que a Sônia Hirsch recomenda, encontrei a receita de “Chá antimuco” neste link. Estou tomando há 3 dias e coincidência ou não, melhorei bastante, continuo com um pouco de tosse, mas muuuuuito menos e mais espaçadas e o catarro está mesmo muito mais líquido.

Chá antimuco

. 1 colher (chá) de sementes de feno-grego (Trigonella foenograecum)
. 1 colher (chá) de sementes de funcho (Foeniculum vulgare)
. 1 colher (chá) de sementes de linhaça (Linum usitatissimum)
. 1 colher (chá) de raiz de alcaçuz (Glycyrrhiza glabra)
. 1 colher (sopa) de folhas de urtiga (Urtica urens) ou tanchagem (Plantago major)
. 500 ml água

Ferver durante 15 minutos o funcho, a linhaça, o feno-grego e o alcaçuz; apagar o fogo, colocar as folhas de urtiga ou tanchagem e abafar.

Este chá aquece o corpo e dissolve o muco. Tomar meia xícara 2 a 4 vezes ao dia, de estômago vazio, 10 minutos antes de comer.

Para quem produz muco em excesso: tomar durante quatro semanas, no outono, nas mesmas doses acima, substitui o muco patológico ao longo das mucosas por um muco benéfico, renovando todo o trato gastrointestinal.

Para condições crônicas de muco o chá é usado por períodos de tempo mais longos. Também é uma mistura muito nutritiva durante os jejuns.

Inconveniente: pode aumentar os calores à noite. Mas nada é perfeito.

Do livro Atchiiim!” 

Vale a pena entrar no link para a página dela para ler mais a respeito para as informações complementares.

Não encontrei informações sobre se é permitido dar este chá às crianças, seria ótimo mas fiquei com medo pois normalmente os remédios alopáticos para dissolver os mucos não podem ser dados para crianças pequenas. Na dúvida estou tomando sozinha.

O chá fica com uma consistência líquida, mas mais espessa, quase como um xarope.

cha-antimuco

Infelizmente, aqui em Andorra não consegui seguir 100% a receita pois não encontrei as sementes de feno-grego (Trigonella foenograecum), o nome em árabe é Alforva, procurei no Google na loja de produtos naturais e o mais próximo que encontramos foram as sementes de trigo-sarraceno, que visualmente parecem com as das fotos que encontramos no Google, mas o nome científico da espécie é realmente outro Fagopyrum esculentum, e claro se a espécie não é a mesma, tem outras propriedades, mas como não tinha resolvei usar este mesmo… Outra que não encontrei foi a Urtica urens, então usei a Urtica dioica  recomendo que façam conforme as especificações originais, continuarei procurando por aqui.

Outra receita dela que vou testar é o Chá para Gripe

“…Para gripe ou resfriado persistentes: 1 colher (chá) de cúrcuma em pó, 500 ml de água fervendo. Deixar em infusão durante 10 minutos. Tomar 3 vezes ao dia com um pouquinho de mel.”

E o “lambedor” para dor de garganta:

“… polvilhar 1 colher (chá) de mel com pitadinhas de cúrcuma e lamber devagarinho.”

Estas duas últimas receitas encontrei no site dela, neste link  “Cúrcuma, ou açafrão-da-terra: todo dia”

Compotas de frutas sem adição de açúcar

Quando estava grávida da Angelina, minha amiga Lilian Simões me presenteou com um livro chamado “Mamãe eu Quero“, da Sonia Hirsch, a Lili me contou que utilizou muito quando seu filho era pequeno e que o tinha como referência. Eu não conhecia a autora, nem o livro, mas me encantei, ela é uma jornalista que escreve sobre alimentação com base na saúde, desde então, sempre que tenho algum problema dou uma consultadinha neste livro, ou então na internet para ver se ela já escreveu alguma coisa sobre o tema.

Ontem ganhei do meu vizinho mais uma caixa de Pêssegos orgânicos, estão super maduros e como já perdi alguns, resolvi pesquisar as receitas de compotas da Sônia Hirsch, as encontrei neste link, do Facebook da Sonia. Vou listar aqui as que pretendo fazer.

Compota de Bananas 

“…Simples e fácil: descascar, cortar as pontas e colocar sem mais cuidados na panela de pedra com uma pitada de sal. Tampar e acender um fogo bem baixo, para que o calor aos poucos vá fazendo as bananas suarem. Suarem tanto que o suor vira calda, o esqueleto da banana aparece, a calda concentrada se reincorpora em forma de banana; e quando o cheiro estiver escandalosamente doce, o doce está pronto.” Ela utiliza as bananas “para lá de maduras”, com a casca ficando preta… quanto mais maduras melhor pois a frutose (que é o açúcar presente nas frutas) já estará em seu nível máximo. A pitada de sal parece estranha para um doce, mas é utilizada para realçar o sabor. A sugestão é adicionar também alguns cravinhos e uma rama de canela.

Compota de Maçãs 

“…Com maçãs fica um doce fino, delicado, em pedaços ou purê. O trabalho é só descascar e tirar o miolo, depois colocar na panela de pressão com um dedo de água no fundo, mais a famosa pitadinha de sal. E cravo e canela, se quiser. Assim que a panela chiar o fogo deve ser reduzido ao mínimo, quase apagando, e o fenômeno se repete: a maçã vai suar, virar calda, reinventar-se maçã, ficar muito doce.”

Maçãs assadas servidas com calda de chocolate meio-amargo e amêndoas (CARAMBA!!!)

“…Outro jeito bom é assar maçãs inteiras no forno, dentro de um pirex tampado, para servir quentes numa noite de frio. Com uma caldinha de chocolate meio-amargo, talvez, e umas amêndoas…”

Compota de Figos – Receita da Prima Marita (Prima da Sônia)

“…primeiro lavar bem os figos maduros, escovar bastante para tirar todo aquele veneninho que gruda na casca – o que praticamente tira a casca. Depois colocar todos bem apertadinhos numa panela grossa, de cabinho para cima, no fogo mais baixo possível. E deixar. Só pingar água se sentir que estão pegando no fundo. Mas como podem ficar tão deliciosos?”

Outras Sugestões de Compotas

Abacaxi, caqui, mamão… segundo ela qualquer fruta bem madura serve. Testarei com os meus pêssegos!

Obs. Ela menciona que como as compotas não levam açúcar que não seja a frutose, devem ser armazenadas na geladeira e duram uma semana ou pouco mais. Conta que tem sempre várias na geladeira e postou também uma receita de bolo molhado feito com as compotas.

Bolo Molhado feito com as compotas de Frutas

“…tostar levemente um copo de arroz integral na frigideira, bater no liquidificador aos poucos, peneirar para obter uma farinha fina, bater de novo o que sobrou até acabar. Colocar uma ou mais compotas de frutas numa vasilha média de louça refratária ou pirex, com bastante calda. Temperar a gosto com especiarias como gengibre, canela, cravo, cardamomo, noz-moscada, raspa de limão, pedacinhos de ameixa seca, tâmaras ou passas. Misturar a farinha. Deixar descansando uma hora ou mais, até a farinha inchar. Se a mistura ainda estiver aguada, colocar mais farinha. Depois é só cobrir com folha de alumínio e levar ao forno médio durante uma hora, para secar.”

(do livro Paixão emagrece, amor engorda)

Kippensoep – Canja de Galinha

Já faz um bom tempo que queria essa receita, mas como normalmente quem faz canja aqui em casa é o meu marido, sempre deixava para depois…aconteceu que há poucos dias eu e as crianças pegamos uma daquelas viroses estomacais horrorosas e tudo o que eu mais queria era passar alguns dias comendo apenas canja e maçãs, “para ajudar” o marido não está, então finalmente tive que pedir a receita da “Kippensoep”, traduzir e postar aqui para organizar as minhas receitas. Essa receita é boa e como são 4l, sempre que ele faz, congelo também pequenas porções para “futuras emergências” (por exemplo, adoro ter uma sopinha destas para descongelar quando voltamos de viagens e ainda não temos nada fresco em casa ou para aqueles dias em que estamos gripados…).

Ingredientes

1 frango com ao menos 1 1/2 kg
4 litros de água
2 folhas de louro
1 raiz de aipo
Noz moscada
1 cebola grande
6 cravos-da-índia

Pimenta branca moída
1/2 colher de chá tomilho
1 colher de chá de salsa
3 dentes de alho
1 cenoura
1 alho-porro
2 talos de aipo

Ps. a receita original adiciona também 03 cubos de caldo de galinha (?!?!?!?!) e 02 pacotes de sopa de galinha (?!?!?!?!), confesso que fiquei chocada em ler isso e não coloquei.

No final do cozimento, meu marido gosta de colocar macarrão tipo Vermicelli, eu para essa quantidade de sopa, adiciono 01 copo de arroz.

Preparo 

Coloque o frango em uma panela com a água fria, as folhas de louro, a noz moscada, cebola, os cravos, os alhos, a pimenta, o tomilho, a salsa e a noz moscada. Deixe ferver e cozinhe por no mínimo 2h ferver até que o frango esteja cozido e a carne desgrudando dos ossos.

Desligue o fogo e retire o frango para desosar a carne. Filtre o caldo em um tecido fino (uso fralda de tecido), adicione o frango desfiado, pre-aqueça e cozinhe o arroz, no final do cozimento, adicione o aipo, a cenoura e o alho poró, todos fatiados finamente, mas não deixe cozinhar muito pois os vegetais devem ser servidos crocantes. 

Para acompanhamento: torradas com alho, orégano, parmesão e azeite.